O filho do arquiteto

“Deram bolsa para quem não tinha a menor capacidade. Não sabia ler, escrever. Botaram todo mundo. Exageraram.” Foi o que disse o ministro da economia às vésperas de mais um 13 de maio. Um dia antes de atingirmos a marca de 400 mil mortos. Até falou que “o filho do porteiro” de seu prédio conseguiu financiamento estudantil “com zero na prova”.

Isso me fez lembrar dos anos em que sonhava com a faculdade de arquitetura.

Um dia um amigo me disse que eu não precisava me preocupar com as disciplinas de humanas quando fosse fazer o vestibular, eu tinha “jeito” para a coisa. A treta seriam as exatas, uma dificuldade que possivelmente todo mundo teria. Pessoas que queriam ser arquitetos e não engenheiros. Era “óbvio”!

Ora senhoras, deixemos para outra hora a enorme mexerica que levei para o dia da prova e como fiz muito barulho para atrapalhar os demais concorrentes. Tática! E quem saba um dia falo sobre a humilhação que senti ao ter de retirar minha touca da sorte, aquela com as cores da Jamaica que havia trazido do Maranhão. E como tme afundei na cadeira ao deixar meus cabelos à mostra, soltos, naquela sala.

Façamos de conta que tuuuuuudo isso foram apenas detalhes.

O fato é que passei da primeira fase. 😎

Ufa! Agora viria a temida segunda fase em que além da redação, história, física e química… Tinha um exame de aptidão. Coisa que sempre achei muito chiquetê até ter de passar por uma. Deixemos de lado o fato de que cheguei atrasada e só entrei por causa da benevolência de um professor que viu meu de-ses-pe-ro e me deixou entrar.

Detalhes. A prova foi mamão com açúcar, com desenho instrumentado e à mão livre. Nada de mais para quem desenhou a vida toda e tinha “jeito” para a coisa. Ou tivesse tido a oportunidade de estudar desenho antes. Quando chegou o dia X, eu usava meu compasso como uma marinheira.

Só pra contrariar, passei no vestibular. 🤜🏽🤜🏽🤜🏽

Ao começarem as aulas, as pessoas não se mediam pelos carros que haviam ganhado dos pais por terem passado. Quase todo mundo tinha um. As credenciais eram as notas e sua classificação entre os 150 aprovados. Corria solto o boato que ALGUÉM entre nós havia zerado na prova de aptidão. Era filho de um arquiteto.

Um detalhe que logo foi esquecido.

LINCAGE

Guedes ataca o Fies e diz que até ‘filho de porteiro que zerou o vestibular’ ganhou bolsa. Política, carta Capital. Publicado em 29 de abril de 2021. Disponível em <https://www.cartacapital.com.br/politica/guedes-ataca-o-fies-e-diz-que-ate-filho-de-porteiro-que-zerou-o-vestibular-ganhou-bolsa/>. Acessado em 30 de abril de 2021.

O que você acha?