Cultura & Sociedade

Contra o #trabalhoinfantil – bebê hipoglós e convite à ação

By December 9, 2012 No Comments

Acredito que se eu e você perguntássemos para dez pessoas se concordam que crianças não devem ser vendidas, praticamente todas concordariam. Numa sociedade em que quase tudo está à venda, parece existir algum conforto em acreditar que o mercado teria algum limite ético. Por outro, seguimos transformando esse período crucial da vida em mercadoria em nome do entretenimento.
Falo especificamente do trabalho infantil vinculado pela televisão. No último dia das crianças por exemplo, a Record televisionou um quadro pra lá de questionável. Esse tipo de diversão infelizmente não é um caso isolado. O SBT tem sido pródigo no quesito, vinculando quadros como o famigerado Eu e as Crianças, com vovô Raul Gil.
Mas como não há limites para o que já é ruim piorar, uma aberração chamada de reality show de bebês tem sido mostrada todas as manhãs por Ana Maria Braga. As personagens principais são umas “fofuras” mas a competição não é coisa de criança. O regulamento para a seleção do casting é bem claro ao afirmar que é destinada a consumidores (além de vender a infância dos filhos, as mães perdem antes sua cidadania) pessoas físicas, de idade igual ou superior a 18 anos completos no ato da inscrição.
A lei 5768 estabelece que a distribuição gratuita de prêmios a título de propaganda quando efetuada mediante sorteio, vale-brinde, concurso ou operação assemelhada, dependerá de prévia autorização do Ministério da Fazenda, deixando a gente com aquela dúvida amarga se a venda de preciosos momentos de vida de cada bebê, além de ter o aval familiar, também tem a anuência pública. O fim da picada.
O blog Blus bus falou à respeito e o Infância Livre de Consumismo também. As reclamações são inúmeras: dietas contento açúcar (crianças devem ser expostas ao consumo desse produto o mais tarde possível), recomendações sem critério para o desmame, adoção de refrigerantes e sanduíches, exposição ao estresse, recomendação de complemento lácteo (até imagino a marca), entre outras pérolas.
Resumindo: a prática tem ganhado mais e mais espaço, se diversificando e conquistado o coração e as mentes do público. A gente não pode mais tratar o trabalho infantil na mídia coomo algo bom ou sem consequências. É por isso que farei um convite muito especial à parentais, amigos, educadores e blogueiros: participe com a gente do tuitaço hoje, a partir das 15:00, sobre #semtrabalhoinfantil.
Existe uma outra forma de colaborar. Olha só.

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) têm o prazer de convidar você e/ou sua organização para participar da audiência pública sobre Trabalho Infantil que encerrará a campanha colaborativa: É da Nossa Conta! Trabalho Infantil e Adolescente. A sua presença é muito importante!
Endereço: Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo | Auditório Teotônio Vilela,1º andar. Avenida Pedro Álvares Cabral, nº 201 – Ibirapuera
Mais informações | 11 3886-6088 e 11 97633-9760. Confirme sua presença: lilian@viracao.org

Charô Nunes

Esses são textos de Charô Nunes, publicados em diversos blogs desde 2008, quando se inicia sua trajetória rumo à escrita e à intelectualidade. Alguns são textos inacabados, que serão publicados sem qualquer revisão ou adição.

Leave a Reply