Somos afrolatinas, elas, tu e eu: vem pro festival Latinidades 2014!

By Uncategorized No Comments

Conosco todas as mulheres negras do lado de cá do meridiano e tantas vezes acima dele, combatendo os mesmos problemas, as mesmas violências. Mais que isso, partilhando conhecimento, arte, cultura, culinária, modos de fazer. Falar sobre o Latinidades não poderia ser que não sobre a celebração desse pertencimento, com a mente voltada para a valorização da oralidade, aquela que torna possível que sejamos ao mesmo tempo nossa própria ancestralidade e o futuro, tudo aqui e agora. Que sejamos, como temos feitos desde tantos séculos, nós as primeiras a contar e escrever nossa própria História.

Read More

O nome disso é transfobia. Chega.

By Uncategorized 2 Comments

Precisamos entender que o combate à transfobia também é uma luta por direitos da população negra. O Dia da Memória Trans*, comemorado em 20 de novembro, tem em sua origem a estória de uma mulher negra. O assassino de Rita Hester argumentou que foi movido por um medo irrefreável de pessoas trans*, responsável por uma insanidade temporária. Recentemente, a vereadora negra trans* Madalena foi retratada como um chimpanzé. Esse é apenas um caso entre milhares. Apesar de a associação entre racismo e transfobia ser comprovadamente letal, ela não é de todo evidente e ainda precisamos caminhar no entendimento de como eles se retroalimentam e se intensificam, criando obstáculos praticamente

Read More

Trabalho doméstico: ‘ela é da família’ não é amor, é navalha na carne

By Uncategorized 6 Comments

A lógica que constroi a ideia de que o trabalho doméstico é feminino é a mesma que o direciona para a mulher negra. O machismo tem um irmão e o nome dele é racismo. Um dos primos de primeiro grau atende pelo nome de classismo. Quando estão todos de mãos dadas, são as mulheres negras que sofrem. Mais ainda quando a opressão se dá portas adentro, espaço tão hostil à urbanidade, onde estamos vulneráveis. Porque algumas mulheres e alguns trabalhos são mais importantes que outros a ponto de ser lucrativo pagar alguém, quase sempre negra, para emancipar a patroa quase sempre branca. Esse texto é sobre tudo isso. Não é sobre família. É sobre outra coisa.

Read More