Arte

Porque (eu vou tentar) ler a Odisseia

By January 14, 2013 2 Comments

Tenho a impressão de que todo mundo leu a Odisseia, menos eu. Acabei criando todo um universo mágico em torno dos primeiros clássicos justamente por isso. Sempre tomei por verdade que sua leitura demandaria um conhecimento aprofundado de mitologia grega, logo não seria para o bico de gente como eu que mal e porcamente conhece meia dúzia de nomes de deuses (e nunca sabe se são gregos ou romanos).

Ler para esquecer

Sempre tive a impressão que a Odisseia não é para os fracos de cabeça e de coração. Muitas personagens, estórias entrecortadas. Certamente menos complicado que  o impossível Mahabarata mas indubitavelmente desaconselhável para gente como com a memória e capacidade de atenção prejudicadas. Tamanha complexidade é coisa para estudiosos, pensei por muito tempo, postergando qualquer contato com a obra de Homero.
O problema é que esqueço tudo sobre filmes e livros um mês depois de tê-los consumido. Dia desses reabri A queda e O mito de sísifo de Camus, dos quais lembro mal e mal os motes. Para minha surpresa estão grifados e com zilhares de anotações, incluside de cunho filosófico, feitas por mim. O mesmo se dá a maioria dos detalhes de Madame Bovary. Então para quê se dar ao trabalho, e que trabalho, de ler a Odisseia e esquecer tudo depois?

Cultura pop

Meus primeiros contatos com os gregos com Os 12 trabalhos de Hércules, fascinada pela escrita de Monteiro Lobato. Dessa epoca lembro de Bubo, uma corujinha mecânica dada de presente a Perseus por Zeus, em A guerra de titãs (1981). A atração por saber quem era e como seria fisicamente a deusa da sabedoria, Palas Atenas. E nem vou falar a delícia que era ficar repetindo emtalmente seu nome – PALAS ATENA!

Bubo, de A fúria de Tiatãs, 1981

Bubo, de Ray Harryhausen em A fúria de Titãs, 1981. Warner Bros. Imagem – Reprodução.

Um pouco mais crescidinha, fiquei intrigada com o apreço que cultura pop tem por mitologias e deidades. Desde as animações muito loucas de Ray Harryhausen até o Deuses americanos. Sem falar em Mulher Maravilha, Guerra nas Estrelas e afins. Tem até filmes em que os semideuses são adolescentes, As aventuras de Percy Jackson. Tudo isso me deixa perplexa sem entender porque diabos hollywood anda tão sempre esteve tão interessada em épicos, deuses e heróis.
A busca por essa resposta me fez perceber que, apesar do risco de que tudo venha a ser esquecido em um mês, terá valido a pena. Lembro também de uma bunda de livro de Monteiro Lobato, onde era dito que o escritor pretendia ser para o Brasil aquilo que Homero havia sido pra sociedade ocidental. Dai pensei – droga, esse cara é tão fundamental assim? Tenho de ler essas porras. E lá me encaminhei pra livraria.

Guerra de tróia, no thanks

Não obrigada. Como já sei que tem o tal presente de grego e houve uma tal de Helena, conhecimentos aprofundadérrimos para uma leitora da minha pouca monta, logo fiquei desinteressada pela Ilíada. Tudo bem que é ‘só’ o começo da estória. Mas eu tinha de escolher entre uma guerra e o retorno de herói à casa após dez anos ausente. Adivinha!
Procurei duas edições. A bilíngue me pareceu muito adequada, já que é pra ler, que seja chique. Não passei da Invocação, o momento em que Homero pede licença à Musa, uma deusa nascida de deus Zeus. Acabei comprando uma edição organizada e traduzida pelo excelente (e maranhense) Carlos Alberto Nunes.

Detail of an Attic Red-figure skyphos, 440 BC, from Chiusi, by the Penelope Painter. Lessing, Eric et al. The Voyages of Ulysses. Macmillan, London: 1965. Plate 9. H 8 in, Diam 10 in.

Penélope e Telêmaco, esposa e filho, esperam o retorno de Osisseu.

Como ele conseguiu fazer que eu passasse do primeiro canto (são 24 e decidi encará-los como capítulos de uma novela), acabei comprando o desafio de finalmente encarar a Odisseia. É bem diferente dos retratos hollywoodianos mas em tempos pós-modernos de Avenida Brasil e seus de folhetins ao sabor da audiência, seguir um enredo linear está me fazendo bem.
Me aguentem pelas próximas semanas falando de arte e mitologia gregas e Homero, rá.

Cliques e linques

Recomendo um post do Monte Olimpo com uma coletânea de filmes inspirados pela mitologia grega. Para acessar os dados técnicos da ilustração do vaso grego, clique aqui.

Charô Nunes

Esses são textos de Charô Nunes, publicados em diversos blogs desde 2008, quando se inicia sua trajetória rumo à escrita e à intelectualidade. Alguns são textos inacabados, que serão publicados sem qualquer revisão ou adição.

2 Comments

Leave a Reply