Estou revendo A escrava Isaura

Estou revendo A escrava Isaura. Nesse episódio Zeni Pereira como Januária constata que nunca será livre. Mal sabia a personagem que dez anos depois, em 1885, seria assinada a lei saraiva-cotegipe condenando os escravos com mais de 65 anos ao deus dará.
0 Shares
0
0
0

Originalmente publicado no tumblr InDigestivos Oneirophanta em 01/04/2013.

Estou revendo A escrava Isaura. Nesse episódio Zeni Pereira como Januária constata que nunca será livre. Mal sabia a personagem que dez anos depois, em 1885, seria assinada a lei saraiva-cotegipe condenando os escravos com mais de 65 anos ao deus dará.

Mais tarde, 13 anos depois, a “redentora” assinaria (quem sabe à contragosto) a lei áurea. Acredito que Januária estava lá para ver e imagino qual foi seu destino como mulher “livre”, já com mais idade, sem nenhuma instrução. De qualquer forma, gosto de pensar que qualquer que tenha sido seu destino… O gosto da liberdade lhe deu alguma força para prosseguir.

Notem que Januária indica como uma das justificativas para a escravidão o racismo através de um gesto característico, que nós aqui em casa usamos até hoje. Isaura faz questão de diminuir o raciocínio da negra, dizendo que houve escravos brancos como ela. Se até mesmo alguns abolicionistas desmereceram o preconceito de cor, a coisa ia bem viu. Ou melhor, vai bem. #SQN

0 Shares
You May Also Like

Um Egito Negro incomoda muita gente

Usurpar patrimônio africano não basta, também é necessário embranquecer seus sujeitos. Tanto na série José do Egito (atualmente em reprise pela Record) quanto em Êxodo: Deuses e Reis as personagens são majoritariamente brancas. Os realizadores são incapazes de reconhecer que todo um complexo sistema de crenças, filosofia, arte, arquitetura, astronomia e medicina são coisas de preto. Qualquer movimento diferente disso, mesmo a simples hipótese de que os antigos egípcios era negros, é vandalismo demais para aguentar.

Candyman como um pesadelo urbano

O monstro mais assustador do mundo são os seres humanos e tudo o que somos capazes, especialmente quando estamos juntos. Estou trabalhando nessas premissas sobre esses diferentes demônios sociais. Esses monstros inatamente humanos que fazem parte da maneira como pensamos e interagimos. Cada um dos meus filmes será sobre um desses diferentes demônios sociais.

O funk como acontece e como é mostrado na televisão

E se ainda não falei, acho que é a hora - sim, estou falando sobre racismo. O problema do funk é o mesmo do samba e da capoeira em seus primórdios. Para os mais americanizados, o mesmo do jazz e do rock.