Mesa farta, casa em festa!

0 Shares
0
0
0

Por Charô Nunes paras as Blogueiras Negras

Relato do I Encontro das Blogueiras Negras de SP

Nosso primeiro encontro aconteceu nesse sábado em São Paulo.

O cenário foi a Cozinha da Matilde, lugar de sonhos para insiders da Vila Madalena, que oferece uma série de atividades delícia para quem quer aprender sobre culinária com poesia e bom humor, rolês fotográficos, etc. Obrigada Letícia Massula (que conheci através da comunidade luluzinhacamp) pela generosidade em nos receber e deixar completamente à vontade! E agora vamos para a parte cozinha e a demonstração de moqueca vegetariana com a blogueira negra, chef, jornalista e maravilha Larissa Januário e sua irmã Vanessa.

Aprendemos muitas coisas. Primeiro que a Larissa deveria ter um canal no youtube. Que a moqueca é um prato tipicamente afrobrasileiro, super fácil, barato, delicioso. Que o azeite de dendê não deve ser aquecido. Como se tira pele de pimentão, que tomate também é um produto sazonal. Que o sal deve ser colocado no começo da preparação. Que existe uma coisa chamada mise en place, sobre a ordem de adicionar os ingredientes na preparação para que cozinhem por igual, dos mais macios aos mais firmes. Que precisamos de mais chefs negras no mercado de trabalho. Que o estereótipo da Tia Nastácia precisa ser superado.

A mesa foi farta e a conversa foi pura festa e reflexão. Diversos aspectos do universo da mulher negra foram contemplados. A infância, o primeiro alisamento , a carreira, a faculdade, a maternidade. A chegada das crianças e a vontade de repensar sua própria negritude para poder transmiti-la. Os efeitos do racismo em nossos corpos, mentes e trajetórias profissionais. A existência de espaços em que não somos benvindas, que nos são proibidos até hoje.

Relembramos uma época em que racismo não era crime. Repensamos os momentos em que o preconceito acontece dentro de casa contra o parente que não é branco. A complexidade envolvida se você tem pais negros e brancos. Tivemos o prazer de receber a visita de uma pesquisadora norte-americana que nos contou que muito do que discutimos é partilhado por mulheres negras do lado de lá do equador.

E como todo encontro de blogueiras tem aquele momento fofura ainda, precisamos apresentar a blogueirinha negra mais jovem entre as participantes. Agradecemos a permissão da mamãe em publicar sua imagem.

Sobre o feminismo negro, a conclusão é que ele existe porque nós existimos. Houve relatos sobre a sensação de que em outros espaços não acontece automaticamente o sentimento de pertencimento, sobre a dificuldade que o feminismo branco tem de se debruçar sobre nossas demandas, de entender que suas bandeiras tem o rosto da mulher negra. Ficou evidente a necessidade de estarmos reunidas, que tudo se encaixa.

Pena foi a hora de irmos embora com aquele gostinho de queremos mais.

Mas não há de ser nada não, em breve tem mais. Promessa!

Imagem – Cozinha da Matilde.

0 Shares
You May Also Like

Se essa rua fosse minha. Morte e morte nas grandes cidades.

A calçada por si só não é nada. É uma abstração. Ela só significa alguma coisa junto com os edifícios e os outros usos limítrofes a ela ou a calçadas próximas. Pode-se dizer o mesmo das ruas, no sentido de servirem a outros fins, além de suportar o trânsito sobre rodas em seu leito. As ruas e suas calçadas, principais locais públicos de uma cidade, são seus órgãos mais vitais. Ao pensar numa cidade, o que lhe vem à cabeça?

Até o ano que vem, Latinidades!

Até o ano que vem, Latinidades! Que mais uma vez será de arrepiar com o tema Cinema Negro: "Queremos discutir o papel da mulher negra nessa cadeia cinematográfica, o seu protagonismo na produção e também como atriz.

Talvez a humanóide Ameca seja um alerta. Sobre nós.

O que vai acontecer quando Ameca se tornar capaz de passar tranquilamente por um ser humano? Afinal o que faremos quando aqueles que nos servem passarem a servir a seus próprios interesses? Talvez Ameca seja um alerta de que muito brevemente a Skynet despertará de seu sono. Não se trata da revolução de robôs, mas sobre o que faremos quando ela acontecer.

Je suis desolée Moïse Mugenyi Kabagambe

"Olha a foto do meu filho, meu bebezinho. Era um menino bom. Era um menino bom. Era um menino bom. Eles quebraram o meu filho. Bateram nas costas, no rosto. Ó, meu Deus. Ele não merecia isso. Eles pegaram uma linha (uma corda), colocaram o meu filho no chão, o puxaram com uma corda. Por quê? Por que ele era pretinho? Negro? Eles mataram o meu filho porque ele era negro, porque era africano.", disse sua mãe.