10 referências para assistir “Nós”, de novo e de novo

0 Shares
0
0
0

Quero falar de um cara que admiramos pra caramba.

Jordan Peele transforma quase qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, em cinema da melhor qualidade. Mesmo na televisão. E antes de ver seus filmes, quis saber um pouco sobre seu trabalho ao lado de Keegan-Michael Key, que a gente já amava desde os idos tempos dos Vídeos Divertidos do Animal Planet. E fiquei extasiada com a genialidade de Flicker (Peter Atencio, 2012).

Então é bom começar a contar.

2. Demorou mas as referências estão aqui.

I. DUAS MÃOS. A mão que mexe a colher de chá com a ponta dos dedos nos créditos de abertura é uma marca registrada do autor e indica o tamanho do abismo que separa a realidade tal como conhecemos e aquela imaginada pelo autor. A imagem vem do conto fantástico A pata do macaco e do filme Corra!, o primeiro longa do diretor.

II. DUAS ATRIZES e UM PUNHADINHO DE RACISMO A MAIS. A expressão apavorada de Adelaide Wilson (Lupita Nyong’o) é a mesma de Ola Ray em Thriller (Michael Jackson, 1983). Ao ser perguntado sobre essa referência, Peele disse (ing) que se tratava de uma obra clássica sobre a dualidade e a camiseta é um modo de estabelecer o tom dos acontecimentos. Em tempo, Michael Jackson foi o primeiro negro a aparecer na MTV. Mas o CEO da CBS, Walter Yetnikoff, precisou ameaçar o canal até que exibisse Billie Jean (ing). A emissora alegava (ing) que não era racista e se dedicava a clipes de rock.

Editorial use only. No book cover usage. Mandatory Credit: Photo by Universal/ILM/Kobal/Shutterstock (10162635c) Lupita Nyong’o as Adelaide Wilson/Red ‘Us’ Film – 2019 A family’s serenity turns to chaos when a group of doppelgängers begins to terrorize them.

III. DOIS FILMES DE HITCHCOCK. Falando em CBS, ela é a proprietária da marca Além da Imaginação ou Twilight Zone, na qual nossa musa tem trabalhado. O roteiro do piloto da série de 1959 havia interessado Alfred Hitchcock que por sua vez definitivamente inspirou Rod Sterling e Peele. Ele cita especificamente Um Corpo Que Cai (Vertigo, 1958) e Pássaros (The birds, 1963), um filme que não consigo ver até hoje. Só de medo.

IV. DOIS APRESENTADORES NEGROS. Peele não é o primeiro a apresentar Além da Imaginação. Até onde a gente sabe, o primeiro foi Forest Whitaker em 2002. Até aqui nada de perturbador. E seu fosse você deixava como está, o esquete de Key e Peele sobre o Bebê Forest é perturbador demais para ser mencionado.

V. DOIS LIVROS. A gente já sabe que Peele ama terror. E que ama Além da Imaginação. Um dos episódios favoritos do diretor e dos fãs da série é da série clássica, Imagem no espelho (Mirror image, 1959) e fala justamente do tema do duplo. Se você também morre de medo disso não deixe de ler O duplo (Fiódor Dostoievski, 1846) e O horla (Guy de Maupassant, 1886).

VI. DUAS CAMISETAS. As camisetas Howard e Thó respectivamente usadas por Gabriel “Gabe” Wilson e Zora Wildon são uma referência à uma universidade negra história e à expressão que significa “qualquer coisa” ou “tanto faz”.

VII. DUAS MÚSICAS. Além da chave reserva do lado de fora da casa, o filme mostra outras branquices. A dualidade entre as duas famílias é marcada pela trilha sonora com Good vibrations (The beach boys, 1966) e Fuck tha police (N.W.A.,1988).

VIII. DUAS INFÂNCIAS. O filme Esqueceram de mim (Home alone, John Hughes, 1990) é citado com tom de escárnio e lança uma pergunta: porque Peele fez isso? Bem, Adelaide é uma criança da geração X e tem quase a mesma idade do diretor e de Kevin McCallister. Nesse detalhe que reside a chave do sucesso (ing). Os dois filmes falam de uma casa invadida. Só que apenas em apenas um deles as crianças precisam se animalizar para sobreviver.

IX. O DIABO MORA NOS DETALHES. A tesoura é um símbolo de dualidade. A luva em uma das mãos e a cor vermelha dos macacões é uma referência à Michael Jackson, “o santo padroeiro da dualidade” segundo (ing) o Pop Sugar. O detalhe é a roupa branca (ing) de Adelaide fica quase que completamente manchada de vermelho quando o filme acaba.

X. DOIS MENINOS. Essa não vou contar, até mesmo porque eu mesma não percebi. Mas repare em Jason e seu duplo, Pluto. E se você não botar reparo em nada, volta aqui (ing).

0 Shares
You May Also Like

Um Egito Negro incomoda muita gente

Usurpar patrimônio africano não basta, também é necessário embranquecer seus sujeitos. Tanto na série José do Egito (atualmente em reprise pela Record) quanto em Êxodo: Deuses e Reis as personagens são majoritariamente brancas. Os realizadores são incapazes de reconhecer que todo um complexo sistema de crenças, filosofia, arte, arquitetura, astronomia e medicina são coisas de preto. Qualquer movimento diferente disso, mesmo a simples hipótese de que os antigos egípcios era negros, é vandalismo demais para aguentar.

Candyman como um pesadelo urbano

O monstro mais assustador do mundo são os seres humanos e tudo o que somos capazes, especialmente quando estamos juntos. Estou trabalhando nessas premissas sobre esses diferentes demônios sociais. Esses monstros inatamente humanos que fazem parte da maneira como pensamos e interagimos. Cada um dos meus filmes será sobre um desses diferentes demônios sociais.

Video killed the radio star

Pois é. É ruim mais eu gosto. Gosto new wave e duvidoso (retumbante redundância) não se discute. Compartilha-se…

Era uma vez um álbum chamado Rumours

Uma das minhas paixões musicais nesse momento é coisa das antigas como sempre: Rumours (Fleetwood Mac, 1977, Grammy de melhor álbum em 1978). Só tem uma faixa que odeio, a "Songbird". Mas até essa vai acabar me pegando apesar de ser tão previsível.