Tim para se inundar!

0 Shares
0
0
0

Humanidade pouca é bobagem! E que é bonito de ouvir, vou te contar! E tenho certeza: quem está lendo a biografia do Tim Maia (aquela de capa meio vermelha), tá adorando. É o que vejo aqui em casa. Nhô Roger já canta como negão e tem a discografia do sujeito até 1979.

Segundo ele, é nessa época em que Tim se torna vítima dos próprios excessos e passa a fazer boas faixas, não mais bons álbuns. Poisé, e dá-lhe musiquinha, que deprimido também escuta que é uma beleza.

0 Shares
You May Also Like

Um Egito Negro incomoda muita gente

Usurpar patrimônio africano não basta, também é necessário embranquecer seus sujeitos. Tanto na série José do Egito (atualmente em reprise pela Record) quanto em Êxodo: Deuses e Reis as personagens são majoritariamente brancas. Os realizadores são incapazes de reconhecer que todo um complexo sistema de crenças, filosofia, arte, arquitetura, astronomia e medicina são coisas de preto. Qualquer movimento diferente disso, mesmo a simples hipótese de que os antigos egípcios era negros, é vandalismo demais para aguentar.

Candyman como um pesadelo urbano

O monstro mais assustador do mundo são os seres humanos e tudo o que somos capazes, especialmente quando estamos juntos. Estou trabalhando nessas premissas sobre esses diferentes demônios sociais. Esses monstros inatamente humanos que fazem parte da maneira como pensamos e interagimos. Cada um dos meus filmes será sobre um desses diferentes demônios sociais.

O funk como acontece e como é mostrado na televisão

E se ainda não falei, acho que é a hora - sim, estou falando sobre racismo. O problema do funk é o mesmo do samba e da capoeira em seus primórdios. Para os mais americanizados, o mesmo do jazz e do rock.