Welcome to hell

o que fazer quando há mais de 6 bilhões de almas no planeta, todas crentes de que seu destino é “vencer” na vida? E, apontando um pouquinho mais para baixo, como conviver com as consequências de uma felicidade assim (tão) descompromissada?
0 Shares
0
0
0

Pois é, quando se está deprimido, as coisas não têm muita urgência mesmo… Finalmente consegui ver Little Miss Sunshine.

E apesar de a produção ser Walt Disney para gente “cool”, chorei que me acabei. O sofá inundou. Daí você me dirá que suicídio, divórcio, velhice e alienação são apenas vaidade. E concordarei. But…

O que fazer quando há mais de 6 bilhões de almas no planeta, todas crentes de que seu destino é “vencer” na vida? E, apontando um pouquinho mais para baixo, como conviver com as consequências de uma felicidade assim (tão) descompromissada?

Poizé né. Welcome to hell.

0 Shares
You May Also Like

Um Egito Negro incomoda muita gente

Usurpar patrimônio africano não basta, também é necessário embranquecer seus sujeitos. Tanto na série José do Egito (atualmente em reprise pela Record) quanto em Êxodo: Deuses e Reis as personagens são majoritariamente brancas. Os realizadores são incapazes de reconhecer que todo um complexo sistema de crenças, filosofia, arte, arquitetura, astronomia e medicina são coisas de preto. Qualquer movimento diferente disso, mesmo a simples hipótese de que os antigos egípcios era negros, é vandalismo demais para aguentar.

Candyman como um pesadelo urbano

O monstro mais assustador do mundo são os seres humanos e tudo o que somos capazes, especialmente quando estamos juntos. Estou trabalhando nessas premissas sobre esses diferentes demônios sociais. Esses monstros inatamente humanos que fazem parte da maneira como pensamos e interagimos. Cada um dos meus filmes será sobre um desses diferentes demônios sociais.

O funk como acontece e como é mostrado na televisão

E se ainda não falei, acho que é a hora - sim, estou falando sobre racismo. O problema do funk é o mesmo do samba e da capoeira em seus primórdios. Para os mais americanizados, o mesmo do jazz e do rock.

Onde estão as bailarinas negras

Bailarinas, ativistas, cientistas, políticas, escritoras, todas precisam não existir para que o futuro de nossas crianças também seja ameaçado. Para que sempre haja um exército de criaturas descartáveis à disposição. Daí a importância de nós negros sejamos mostrados como corpos que dançam apenas uma vez por ano.