Eu tenho uma opinião

Apenas isso é assunto pra lá de metro. Não entendo como é possível “discutir temas da atualidade, comportamento e relacionamento, sempre com a visão diversificada” sem uma única mulher negra em toda a trajetória da atração.
0 Shares
0
0
0

Texto originalmente publicado em em 06/04/2013 no Biscate Social Club.

Dia desses, fiz coro e perguntei à Astrid Fontenelle porque nunca houve uma negra na banca do Saia Justa. Segundo a jornalista, o programa que já escalou atrizes como Maitê Proença e Luana Piovani, chamará uma negra “assim que precisarmos e tivermos uma excelente opção disponivel, ou a qualquer momento.”

Apenas isso é assunto pra lá de metro. Não entendo como é possível “discutir temas da atualidade, comportamento e relacionamento, sempre com a visão diversificada” sem uma única mulher negra em toda a trajetória da atração. Como não faltam mulheres negras de opinião no mundo e no mercado, questiono a real motivação de nunca terem escalado uma.

Mas falemos sobre aquele momento surreal em que Astrid Fontenelle ensaiou argumentar que não é racista dizendo que “só pra constar, se é que vocês não sabem: meu filho é negro“. Preciso dizer que não me foi nada agradável ver alguém que sempre admirei (sou do tempo que a jornalista era uma descolada VJ, veja você) se aproximando da fala de gente como Rodrigo Sant’Anna, Marco Feliciano e Joelma.

EQUAÇÃO DO PRIMEIRO GRAU

A notícia boa é que o mundo tem estado bem mais sensível aos direitos humanos, aos privilégios. Ninguém ousaria dizer que um misógino não poderia sê-lo por ter uma mãe. Em contrapartida, ainda é frágil a compreensão de que a convivência com pessoas negras, gays, trans, gordas e/ou pobres não é capaz de coibir a discriminação. Infelizmente, o “eu tenho um amigo _________________ (insira aqui alguma minoria)” virou a frase da vez.

Apesar da fragilidade dessa afirmação, muita gente tem insistido nessa ideia ao invés de colocar em xeque seus próprios preconceitos. Marco Feliciano fez questão de posar ao lado da mãe e do padrasto negros. Meses atrás, Rodrigo Sant’Anna se apressou em dizer que sua Adelaide é uma homenagem à sua querida avó. Joelma, após uma série de declarações homofóbicas, também declarou que tem um amigo gay.

Como se os melhores amigos, parentes e parceiros fossem diminuídos ao status de bolsa, acessório a ser retirado do armário quando convém – eu tenho uma amiga negra, eu tenho uma amigo gay, eu tenho um parente negro, eu tenho uma funcionária pobre; logo não sou racista, trans-homofóbico, etc. etc e etc. Como se o preconceito fosse uma simples equação de primeiro grau.

VISCOSIDADE

Falarei mais uma vez de Astrid Fontenelle. Desacredito que tenha agido de má fé mas saliento que o fato de ela ter um filho negro não serve de resposta à crítica pertinente sobre a ausência de uma negra no Saia Justa. Assim como o fato de Ronaldo Fraga ser, muito provavelmente afrodescendente, não diminui em nada a gravidade de sua homenagem com a tal da escultura de bombril.

É muito provável que você e eu, pessoas legais, sejamos parte de uma engrenagem podre alimentada pelos pequenos preconceitos que aparentemente são de ninguém. Afinal todos temos uma mãe, uma amiga negra, um funcionário pobre, uma conhecida lésbica. A pergunta que fica é – quantos de nós pensamos nossos amigos, parceiros e funcionários como sujeitas de equidade, de respeito, de direitos?

A grande questão é pensar a discriminação e o preconceito em sua orgânica viscosidade que toma de assalto as menores brechas, de forma silenciosa e potencialmente letal. É provável que estejam bem mais perto do que imaginamos apesar de nossos amigos gays, negros e gordos, ainda mais se considerarmos que somos uma sociedade estruturalmente racista, machista, transfóbica, gordofóbica e afins.

MAS COMO DIZER QUE NÃO SOU RACISTA?

Essa pergunta não faz muito sentido para mim, afinal é muito improvável que alguém que não é racista seja acusado de sê-lo. E se acontecer, a pessoa saberá refutar a acusação de forma muito tranquila, sem ter de fazer uso de amigos, parceiros. Ou melhor, reconhecerá que a coisa toda pode melhorar em diversos aspectos.

Por outro lado é igualmente complicado afirmar que alguém está imune ao preconceito. Quem não é racista reconhece essa fragilidade, entende a afirmação de que somos estruturalmente racistas, que todos podemos ter comportamentos indesejáveis vez ou outra, é necessária e bem-vinda…

0 Shares
You May Also Like

Se essa rua fosse minha. Morte e morte nas grandes cidades.

A calçada por si só não é nada. É uma abstração. Ela só significa alguma coisa junto com os edifícios e os outros usos limítrofes a ela ou a calçadas próximas. Pode-se dizer o mesmo das ruas, no sentido de servirem a outros fins, além de suportar o trânsito sobre rodas em seu leito. As ruas e suas calçadas, principais locais públicos de uma cidade, são seus órgãos mais vitais. Ao pensar numa cidade, o que lhe vem à cabeça?

Até o ano que vem, Latinidades!

Até o ano que vem, Latinidades! Que mais uma vez será de arrepiar com o tema Cinema Negro: "Queremos discutir o papel da mulher negra nessa cadeia cinematográfica, o seu protagonismo na produção e também como atriz.

Talvez a humanóide Ameca seja um alerta. Sobre nós.

O que vai acontecer quando Ameca se tornar capaz de passar tranquilamente por um ser humano? Afinal o que faremos quando aqueles que nos servem passarem a servir a seus próprios interesses? Talvez Ameca seja um alerta de que muito brevemente a Skynet despertará de seu sono. Não se trata da revolução de robôs, mas sobre o que faremos quando ela acontecer.

Je suis desolée Moïse Mugenyi Kabagambe

"Olha a foto do meu filho, meu bebezinho. Era um menino bom. Era um menino bom. Era um menino bom. Eles quebraram o meu filho. Bateram nas costas, no rosto. Ó, meu Deus. Ele não merecia isso. Eles pegaram uma linha (uma corda), colocaram o meu filho no chão, o puxaram com uma corda. Por quê? Por que ele era pretinho? Negro? Eles mataram o meu filho porque ele era negro, porque era africano.", disse sua mãe.