african american female holding out palm in stopping gesture

Eu tenho uma opinião

Apenas isso é assunto pra lá de metro. Não entendo como é possível “discutir temas da atualidade, comportamento e relacionamento, sempre com a visão diversificada” sem uma única mulher negra em toda a trajetória da atração.

Dina, primeira bailarina de dança do ventre do Egito, biscate e delícia

Nem toda família de ascendência árabe tem a mesma visão de mundo sobre a dança, assim como nem toda mulher que faz dança do ventre é biscate, vero. Só que probabilidade de a dança despertar a bisca que existe dentro de cada uma é muito grande pois a visão do umbigo emoldurado pelo vai e vem do próprio quadril (e o das zamigas, aiaiai, uiuiui)  é qualquer coisa de solene.

Cristo se fez mulher: Gritos e sussurros, Ingmar Bergman

Para o diretor sueco Ingmar Bergman, o privado é o espaço onde crescem os bolores, os demônios. Adivinha, fiquei apaixonada pela tese, o fio condutor do filme: tudo acontece ao redor de uma moribunda, velada por duas irmãs e uma fiel criada cuja filha morreu recentemente. O cenário é uma casa de paredes insistentemente vermelhas, ornadas por madeira negra e emolduradas por móveis brancos. Uma arquitetura luxuosa de casa de bonecas, onde a felicidade é inviável.
assorted color sequins

A Parada Gay não é mais a mesma?

As perguntam se multiplicam. Por que temer o caráter carnavalesco do evento? Por que uma manifestação LGBT deveria ser casta e puritana? Por que a luta deveria sublimar toda e qualquer manifestação da sexualidade?
faceless people scolding discontent black girl

Sobre filhos, consentimento e empatia

O consentimento é acordado entre as partes, sempre e a cada vez. A empatia uma constante. Muito do que é praticado nas alcovas das casas de swing deveria ser lembrado aqui fora.  E não somente entre nós adultos, mas sobretudo no trato com as crianças.
woman wearing blue crew neck shirt

Cabelo natural – Uma biscate quer abandonar o alisamento

Dessa vez estava de cabelo preso, num coque discreto. Esperando a minha vez, aproveitei pra ler uma entrevista de Marco Feliciano para um famosa publicaçãozinha que vocês conhecem. E assim nem percebi que havia chegado a minha vez de ir ao lavatório e depois à estação de trabalho do cabeleireiro.

Das Musas Improváveis ou Gracyanne Rules!

Num mundo onde as mulheres são todas loiras e devassas, no máximo variações do mesmo tema, mulheres e homens transitam entre o lá e o cá desse caldo cultural que alguns chamam de gênero, enterram clichês normativos e se libertam do sexo que por acaso carregam entre as pernas. Esse post fala sobre essas pessoas que destroem as barreiras entre os sexos e difundem a ideia radical de que nós mulheres somos gente.