Çocorro! Carro velho, casa feia e mãe solteira são marcas do diabo

0 Shares
0
0
0

Lá vou eu verificar o blog do Edir Macedo e me deparo com um post maravilhoso sobre as marcas do diabo. Infelizmente o ataque à não-monogamia, o sexismo, a completa falta de compaixão, o preconceito social e a teologia da prosperidade não são crimes. Resta pra mim,  amaldiçoada por Noé, um “check” nas minhas próprias marcas e comentar outras.

A esposa que divide o marido com as amantes – (check) inclusive o marido divide a mulher com o próximo também, interessados mandem email em PVT;
A mãe solteira – sou a favor das feministas tuda comentar essa baixaria aqui porque sabe, não somos obrigadaaaaaaaaaaaaaaaaas, essa estória de amaldiçoar as pessoas está indo longe demais;
A doença incurável – seu saaaaaaaaalazarento de meia pataca, opa, infelizmente de muitas patacas, agora me diga se não é uma miséria a pessoa estar doente e ainda ser instigada a pagar pela benção divina;
Os filhos nas drogas – no meu tempo as igrejas pregavam a compaixão por quem passa por um problema desses, quando foi que isso mudou gente;
O pão com escassez – acho super digno que deus abençoasse todo mundo com um café da manhã tipo aqueles de novela ou comercial de manteiga, com laranja, mamão, cereal e queijo branco ou tofu para os veganos;
O carro velho – (check) aposto que a industria automobilística amou a parceria, agora além de pobre você é amaldiçoado do transporte público ou da bicicleta;
A casa caindo aos pedaços – (check) arquiteta com a casa caindo aos pedaços é certeza de maldição, certeza! Mais uma vez acho super digno que deus desse casa e comida pra todo mundo;
A empresa falida – (check) como disse antes, arquiteta porém pobre, coisa do diabo mesmo;

Pra quem duvida que a fonte de todos os problemas descritos são mesmo marcas do diabo, aqui o print do monstrinho.

Boa semana para você também.

0 Shares
You May Also Like

Se essa rua fosse minha. Morte e morte nas grandes cidades.

A calçada por si só não é nada. É uma abstração. Ela só significa alguma coisa junto com os edifícios e os outros usos limítrofes a ela ou a calçadas próximas. Pode-se dizer o mesmo das ruas, no sentido de servirem a outros fins, além de suportar o trânsito sobre rodas em seu leito. As ruas e suas calçadas, principais locais públicos de uma cidade, são seus órgãos mais vitais. Ao pensar numa cidade, o que lhe vem à cabeça?

Até o ano que vem, Latinidades!

Até o ano que vem, Latinidades! Que mais uma vez será de arrepiar com o tema Cinema Negro: "Queremos discutir o papel da mulher negra nessa cadeia cinematográfica, o seu protagonismo na produção e também como atriz.

Talvez a humanóide Ameca seja um alerta. Sobre nós.

O que vai acontecer quando Ameca se tornar capaz de passar tranquilamente por um ser humano? Afinal o que faremos quando aqueles que nos servem passarem a servir a seus próprios interesses? Talvez Ameca seja um alerta de que muito brevemente a Skynet despertará de seu sono. Não se trata da revolução de robôs, mas sobre o que faremos quando ela acontecer.

Je suis desolée Moïse Mugenyi Kabagambe

"Olha a foto do meu filho, meu bebezinho. Era um menino bom. Era um menino bom. Era um menino bom. Eles quebraram o meu filho. Bateram nas costas, no rosto. Ó, meu Deus. Ele não merecia isso. Eles pegaram uma linha (uma corda), colocaram o meu filho no chão, o puxaram com uma corda. Por quê? Por que ele era pretinho? Negro? Eles mataram o meu filho porque ele era negro, porque era africano.", disse sua mãe.