Tag

Pintura

Impressionismo no CCBB_sp, uma nova série

By Arte No Comments

A vida nos reserva momentos mágicos e hoje foi um deles. A Samegui que você conhece de A vida como a vida quer convidou, em parceria com Felipe Zulato e Cielo, uma turma de blogueiros para uma oportunidade singular: participar de uma visita guiada (com direito a brunch) para um seleto grupo de aproximadamente 15 pessoas à expô Impressionismo: Paris e a modernidade. Tem como não amar uma coisa dessas? Um cenário dos sonhos como é o CCBB_sp, obras de arte que são referências quando o assunto é o século XIX (Revolução Industrial e suas transformações) e companhia agradabilíssima. Sou francófona de coração (apesar de todo meu amor por Berlim e de algumas notícias direto de Paris que ameaçam seu posto de capital internacional da cultura) desde os tempos em que trabalhava em uma das bibliotecas de Aliança Francesa. Então, a oportunidade de ver algumas das obras que só conheço remotamente (não, nunca fui à Cidade Luz) foi de arrepiar. Pois foi assim que me senti ao ver obras prediletas, ao alcance dos olhos. Por isso, aproveitando a organização da curadoria, farei uma série de posts sobre o assunto, tendo como fiel escudeiro Walter Benjamin e o seu oportuno Passagens: París, cidade…

Read More

Oi biscates, feliz 2012

By Arte No Comments

Lá em casa era assim: um homem ou outro. A sargento da trupe era minha mãe, linha dura para com uma pequena legião de filhas, irmãs e sobrinhas. Mas havia uma entre nós que não ligava muito para tudo isso. Logo ganhou o apelido de biscate. Bisca, pra ser mais exata. O motivo era simples: quando tomou conta do próprio nariz e de outras partes também, parou de esconder que tinha uma vida sexualmente ativa. Suas calcinhas era de rendinha, vermelhas. Coisa de biscate é claro. Até mesmo as crianças foram autorizadas a chamá-la dessa forma. Ironicamente, contrariando a certeza de todas nós, não foi mãe durante a adolescência. Na verdade foi uma das últimas. Hoje crescemos todas. Vasculhando um armário encontrei uma agenda daqueles tempos. Só 20 anos atrás. E como aos 15 algumas são mais babacas que ass demais, eu pedia a todo mundo que escrevessem na minha agenda, como se tivesse assim uns 12 anos. Algumas amigas escreveram. Escreveu também meu primeiro namoradinho, aquele do primeiro beijo. Ao final da uma fofíssima declaração de amor (sejamos poéticos vá) , o sujeito foi direto ao ponto: “dá pra mim, vc entendeu”. Olha, lendo isso me arrependo pacas de…

Read More

Trends 2012: Pintura menstrual

By Arte No Comments

Reclama-se aos quatro ventos do estado bundalelê da arte pós-moderna ao sabor do vento. A reflexão é preterida caso exista a mínim via de interação imediata com a obra. Quanto maior a familiaridade melhor. Por exemplo, se você foi educado sob a tradição judaico-cristã, provavelmente reconhecerá imediatamente a imagem de um homem crucificado sangrando. Alguns se dirão até inspirados. Mas… E se o sangue fosse de uma mulher menstruada? Arrepiou? Corra! Um dos episódios mais interessantes de Futurama é aquele em que se diz que o universo gira em torno da nave das personagens principais. Algumas pessoas se sentem confortáveis quando uma obra de arte faz exatamente o mesmo em torno de seus umbigos. Feliz ou infelizmente,  arte menstrual tende ao movimento: quem vê é colocado em órbita. É com essa finalidade que se faz arte com sangue menstrual. Jennifer Weigel responde suas dúvidas. Why make art about menstruation? Menstruation is still a taboo topic among many cultures. Many women are taught to be ashamed of their bodies and feel dirty when they are menstruating. There are still many myths surrounding menstruation, and both normal and potentially life-threatening conditions are too often not discussed, leaving individual women to wonder whether or not anything is wrong with their bodies whenever they experience any changes (sometimes even including menarche at the onset – many a girl has learned from a school nurse that what she is experiencing is normal). But menstruation shouldn’t been seen as something dirty, deviant or wrong – it is a natural function of the female body and provides evidence of women’s ability to carry children and to give birth to new life. jenniferweigelart.com The Menstruation Series Julia Gallego resume a estória toda: I made This is my Blood for the show, protesting against and reappropiating patriarchal blood.(…)The female performative body subverts the iconographic order. Apesar de tudo isso, alguns críticos de arte tecem reticâncias para não dizer uma postura preconceituosa e irresponsável. As únicas características dessas obras, segundo essa crítica, seriam a…

Read More

Trends 2012: não fotografar quadros

By Arte No Comments

Na sua origem e em comparação com a pintura, a fotografia passou a ser considerada a melhor técnica de apreensão da realidade por que teria o menor grau de distorção. Contra fotos não há argumentos. Ou melhor, não haviam. Em tempos de fotoxop todo cuidado é pouco. Mas você já parou para se perguntar se fotografar é ver a vida (e uma obra de arte) como ela é? Pensando nisso lembre que um amigo aqui do blog, editor do Fósforo, me recomendou o curioso blog Fotografando quadros: Nada mais estranho do que a mania de ir a museus e exposições para fotografar as obras de arte. Fotogrando quadros se propõe a registrar mais este bizarro hábito moderno. Mais que um bizarro hábito moderno, fotografar seria o jeito mais rápido e prático de se fazer anotações visuais, de olhar mais e melhor depois. E para quem não pode fotografar pessoalmente, os cliques alheios são uma ferramenta. Para os blogueiros de arte e educadores nem se fala. Porém, se você pretende ver mais e melhor uma obra de arte, a fotografia é uma péssima escolha. E vou te contar por que. A multiplicidade do observador Quando você se depara com uma obra acontece um fenômeno que todos experimentamos sem pensar…

Read More